12 motivos para investir no comércio eletrônico e abrir uma loja virtual

0 votes

Estimativas positivas não faltam para o comércio eletrônico brasileiro, que experimenta um crescimento progressivo mesmo com a crise financeira. Segundo previsão da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), o setor deve fechar o ano com um aumento de 18% nas vendas e um faturamento de aproximadamente 56,8 bilhões de reais. E você, o que está esperando para abrir uma loja virtual? Confira agora mesmo 12 dicas que o farão decidir agora mesmo a se tornar um empreendedor virtual!

1) Atendimento 24 horas

Já pensou em vender dia e noite, sem parar? Pois ao abrir uma loja virtual é exatamente o que você vai fazer! Com um e-commerce, não existe essa história de horário de fechamento. Lá, seus produtos estão disponíveis a qualquer hora, em qualquer lugar, para quem quiser comprar. É a vitrine mais segura que você poderia ter para seus produtos, afinal, a possibilidade de alguém tentar quebrar o vidro para levar alguma coisa é nula. A única maneira de levar seus produtos para casa é comprando!

2) Vendas sem limites geográficos

A internet realmente revolucionou a forma de vender ao permitir que você rompa as barreiras geográficas e alcance públicos muito maiores. Nesse cenário, um produto produzido no Rio Grande do Sul, por exemplo, pode ser comprado no Amazonas sem qualquer impedimento. Para isso, basta que tenha as parcerias certas para fazê-lo chegar até o consumidor. Até mesmo as fronteiras entre países podem ser superadas pelo comércio eletrônico, que já conta com alguns incentivos governamentais para facilitar o processo de exportação de produtos por pequenos empreendimentos — como o Simples Exportação.

3) Comodidade

Quem diria que seria tão fácil comprar e receber um produto em casa 20 anos atrás? Mas é isso mesmo! Ao abrir uma loja virtual (mesmo que já tenha uma loja física), você contribui para o conforto e a comodidade dos seus consumidores. Há até quem compre pela internet de lojas físicas próximas da residência ou do trabalho, só pela facilidade de poder buscar, comparar e comprar produtos on-line.

Especialmente para quem está longe, a possibilidade de adquirir produtos de qualidade e recebê-los no conforto do lar se torna um grande atrativo, que pode ser usado por você para ampliar sua carteira de clientes. É essa comodidade que fez com que 48 milhões de pessoas fizessem ao menos uma compra via e-commerce em 2016, um incremento de 22% no número de consumidores on-line em comparação a 2015.

4) Promoções

Um dos grandes atrativos do e-commerce é a possibilidade de criar promoções rapidamente e divulgá-las pela web em questão de poucas horas. Você não precisa criar nenhum material impresso para dar conhecimento aos consumidores e ainda pode mudar rapidamente o status de um produto — preferencialmente indo de disponível para esgotado, certo?

Ferramentas de monitoramento de preços ajudam a melhorar sua oferta de valor, enquanto recursos de análise de dados auxiliam no acompanhamento da performance de cada campanha, dando a você a capacidade de gerir cada promoção de maneira efetiva.

E por falar em promoção, que tal saber quais são as categorias de produtos mais buscadas pelos consumidores? Segundo o Relatório Webshoppers 2017, as que tiveram maior volume de pedidos foram: moda e acessórios; eletrodomésticos; livros; saúde, cosméticos e perfumaria; e telefonia e celulares.




Já para quem busca rentabilidade, o melhor é investir na seguinte sequência de produtos: eletrodomésticos; telefonia e celulares; eletrônicos; informática; e casa e decoração. Ofertando bons produtos com promoções atrativas, as vendas chegarão na certa.

5) Competitividade

O consumidor atual é hiperconectado e recorre à internet para praticamente tudo, inclusive para procurar produtos e comprá-los onde quer que esteja. Assim, se você não está on-line, automaticamente está perdendo uma grande fatia de mercado, que poderia aumentar seu lucro rapidamente. Para aumentar sua competitividade e potencializar as vendas, portanto, não deixe de abrir uma loja virtual! Mas não pare por aí: seu e-commerce deve funcionar perfeitamente em dispositivos mobile também, já que o número de compras realizadas por smartphones está cada dia maior.

O Webshoppers 2017 trouxe uma informação importante a este respeito: 21,5% das compras em 2016 foram feitas por meio de dispositivos mobile e a expectativa é de que este número chegue a 32% até o final de 2017.

6) Custos reduzidos

Abrir uma loja virtual exige menos investimentos que um negócio físico, uma vez que não demanda infraestrutura voltada para a visitação de clientes, tampouco tantos vendedores à disposição. Toda a infraestrutura de vendas que você necessita fica on-line, disponível 24 horas por dia, ainda com capacidade para ser atualizada regularmente — muitas vezes, aliás, automaticamente, desde que você tenha sistemas de gestão para facilitar os processos.

O estoque pode ficar onde for mais conveniente, até mesmo em sua casa, se você for um pequeno empreendedor. Para os maiores, a exigência é um pouco mais complexa, mas, mesmo assim, o custo do armazém nem se compara ao custo de manter as portas de uma loja física abertas dia e noite.

7) Múltiplos estoques

Para ampliar sua capacidade de distribuição sem aumentar os custos do frete, é possível trabalhar com estoques descentralizados — seus ou de seus fornecedores. Muitos e-commerces trabalham com estoque zero, repassando os pedidos para que os próprios fornecedores enviem os produtos comprados pelo cliente. Essa é uma excelente forma de começar a vender pela internet! Nesse caso, você só precisa ser bom de negociação.

8) Acompanhamento do desempenho

Toda venda pela internet pode ser monitorada e analisada por meio de ferramentas de análise de dados, dando a você um panorama geral do seu desempenho como lojista virtual. Tráfego no site, volume de transações, ticket médio, taxa de rejeição, taxa de recompra, chargeback e faturamento mensal: essas são apenas algumas das informações a que você terá acesso facilmente ao adotar uma plataforma de e-commerce de qualidade.

Monitorar o desempenho é essencial para que você ajuste suas estratégias de precificação, marketing e vendas, visando atingir com mais precisão seus consumidores. Além de monitorar as interações no site, mantenha-se atento a comentários em redes sociais, no blog da sua loja virtual, em sites de comparação de preços e marketplaces. Quanto mais você conhecer sua audiência mais facilmente chegará a uma estratégia assertiva para faturar ainda mais ao abrir uma loja virtual.

9) Monitoramento do consumidor

Além dos dados do seu negócio, ainda é possível conhecer melhor quem é seu consumidor e do que ele precisa. Por meio do comportamento dos visitantes do seu site, você saberá, por exemplo, quais produtos são mais buscados, quais CTAs são mais clicados, qual é o horário com maior tráfego, as datas em que as vendas aumentam e uma série de outras informações que podem contribuir para otimizar suas campanhas de marketing e fidelizar seus clientes.

Conte com o auxílio de entrevistas e pesquisas de mercado para entender como os consumidores on-line se comportam, o que buscam na internet e como se relacionam com outros e-commerces. Extraia o máximo de informações possíveis de suas estratégias de inbound marketing, já que elas revelam muito a respeito dos compradores: dúvidas, preferências, experiências de consumo, conteúdos de interesse, produtos mais condizentes com suas necessidades, entre outras informações.

10) Aumento das vendas

Para quem já possui um negócio físico, abrir uma loja virtual é uma oportunidade de ouro para ampliar os horizontes e, claro, as vendas. A expectativa de faturamento para o e-commerce brasileiro em 2017 é de aproximadamente 50 bilhões de reais, com um ticket médio que fica em torno de 450 reais por consumidor. Se você conseguir atingir uma parcela dessa quantidade enorme de pessoas comprando on-line, certamente terá melhores resultados financeiros ao final do ano.

Mesmo que você tenha um público fiel, que visita sua loja física regularmente, pode alcançar novas audiências por meio do e-commerce e tornar sua marca ainda mais conhecida e rentável. Além disso, a análise de dados dos consumidores on-line permite aprofundar seu conhecimento sobre o comportamento do seu público, o que pode ser usado para tornar suas estratégias de vendas mais assertivas, tudo por meio da segmentação e personalização de mensagens.

11) Escalabilidade de clientes

Uma loja física comporta determinada quantidade de clientes por vez, o que limita suas vendas em uma data comemorativa, como a Black Friday, por exemplo. Em contrapartida, ao abrir uma loja virtual, você escala a quantidade de clientes progressivamente, sem se preocupar se os consumidores caberão no seu espaço ou não.

É bem verdade que, ao longo do tempo, perdemos alguns consumidores. Mas, no e-commerce, fica bem mais fácil recuperar o número de clientes ativos, já que você não está preso a limites geográficos. Se o seu negócio já expandiu tudo o que tinha para expandir no Brasil, é só partir para os países vizinhos e voltar a crescer.

12) Vendas no marketplace

Se você tem um orçamento limitado de marketing para fazer sua loja virtual se destacar na internet, pode aproveitar a visibilidade de grandes marketplaces para alcançar uma audiência ampla e fiel até que seu negócio prospere por conta própria.

Analise as opções existentes no mercado e escolha aquele shopping virtual que ofereça mais benefícios e esteja alinhado aos produtos que você comercializa. Tendo uma boa plataforma de e-commerce, você pode inclusive integrar sua loja virtual ao marketplace e facilitar a gestão financeira e de estoque.

Com todas estas vantagens, o que ainda está esperando para investir em uma solução para comércio eletrônico e começar a ter resultados nesse mercado promissor? Quer saber como começar? Clique aqui…




Comentários estão fechados